O que esperar do futuro do trabalho

O uso da internet, redes sociais e smartphones trouxe uma série de mudanças e também influenciaram o mercado, indicando novos caminhos para o futuro do trabalho. Já podemos observar algumas disrupções nos dias atuais, que tendem a crescer a curto prazo.

Neste post, vamos falar um pouco sobre essas transformações e seus impactos para os profissionais. Acompanhe!

As carreiras no futuro do trabalho

A pesquisa “The Future of Employment” aponta que profissões com maior probabilidade de automação correm grande risco de serem extintas, substituídas por robôs e máquinas de inteligência artificial que farão esse trabalho a custos mais baixos e pequena incidência de erros.

Em contrapartida, profissões com alta necessidade de interação estão menos propensas à extinção e continuarão a ser valorizadas no trabalho do futuro.

Diante dessa nova realidade, alguns cuidados devem ser tomados ao planejar a vida profissional. Um deles é com a formação. As mudanças no mercado estão acontecendo mais rapidamente do que as transformações no ensino, que tenta acompanhar esse ritmo ainda sem sucesso.

Portanto, se você está escolhendo agora com o que pretende trabalhar, observe essas tendências. Muitas das faculdades estão preparando alunos para profissões que não existirão em um futuro próximo.

É difícil pensar em uma profissão certeira para o futuro, ou numa formação que certamente vai gerar empregos. As mudanças ocorrem em ritmo tão acelerado que boa parte dos cargos que farão parte do futuro do trabalho sequer foram inventados.

Algumas apostas são carreiras ligadas à análise de dados, desenvolvimento e análise de sistemas, justamente porque são intimamente ligadas à revolução tecnológica e aos agentes provocadores dessas transformações.

Os funcionários não são mais os mesmos

Outro aspecto que deve ser observado é a ideia de fazer carreira em apenas uma empresa. Essa era uma prática valorizada entre pessoas mais velhas, que buscavam lugares estáveis para trabalhar e chegavam a se aposentar na organização em que tiveram o primeiro emprego, procurando o crescimento na carreira, mas sempre atuando no mesmo lugar.

Esse pensamento não é mais presente entre os profissionais atuais. Principalmente entre os jovens da geração Millennial, a ideia principal é buscar empresas que gerem mais chances de desenvolvimento.

Se antes uma pessoa que permanecia um ano ou dois em uma empresa era mal vista no mercado de trabalho, hoje essa é uma característica comum e que pode ser encarada positivamente, se essas mudanças aconteceram em prol de um aprendizado.

A busca por novas chances de atuação e aprendizado vai guiar as carreiras no futuro. Cadastre-se na nossa rede para ter acesso a essas oportunidades.

A necessidade de adaptação do sistema educacional

O sistema educacional já não corresponde mais às necessidades do mercado de trabalho. Uma série de habilidades necessárias para o sucesso profissional não são foco de desenvolvimento durante a formação escolar ou até mesmo na graduação. Podemos destacar como competências indispensáveis para o futuro do trabalho:

  • inteligência interpessoal e emocional

  • pensamento crítico

  • gestão de pessoas

  • criatividade

  • capacidade de solucionar problemas

Os desafios do futuro do trabalho para as corporações

Há ainda uma preocupação com o autodesenvolvimento, que deverá ser buscado por cada indivíduo. Essa nova realidade implica para as empresas uma dificuldade muito maior em engajar e reter seus funcionários, especialmente os melhores talentos.

Parte daí a preocupação em oferecer um ambiente cada vez mais convidativo e com melhores condições para os funcionários, abrindo espaço para a construção de um employer branding mais robusto e um trabalho voltado para a valorização dos empregados.

Afinal, o turnover é uma questão desafiadora para as organizações e tende a ser ainda mais, resultado da nova mentalidade dos profissionais e também das mudanças que o mercado de trabalho está enfrentando.

As mudanças na relação entre funcionário e empresa

As relações no futuro do trabalho também serão diferentes. A tendência é que o vínculo empregatício diminua e a prestação de serviços como autônomo, a terceirização e o trabalho home office cresçam como alternativas.

Ao mesmo tempo em que esse novo posicionamento assusta os profissionais acostumados aos benefícios que uma empresa disponibiliza, trata-se de uma realidade que além de apresentar desafios para que o profissional se mantenha relevante, oferece mais chances de atuação e até mesmo de qualidade de vida, permitindo a cada indivíduo a gestão do próprio trabalho..

Ao mesmo tempo, pessoas com capacidades empreendedoras serão cada vez mais valorizadas. Aumenta o número de startups e novas empresas, mas esses indivíduos também terão mais espaço no mercado de trabalho para vinculação a uma organização, pois possuem habilidades importantes como o autogerenciamento, busca de novas ideias, foco na realização de projetos e busca por resultados.

O futuro do trabalho será marcado pela independência, qualidade e dinamismo. Para saber mais sobre o assunto, leia o nosso e-book!